Relojoaria – Sempre no ritmo do tempo.

Há séculos, a Suíça é famosa pelos seus relógios. Nem sempre foi assim: quando a medição do tempo começou no século XIV, a Suíça estava muito atrás do seu tempo.

Compartilhe conteúdo

Obrigado pela classificação
Apenas quando os refugiados huguenotes trouxeram a fabricação de relógios portáteis para Genebra na segunda metade do século XVI é que a relojoaria também começou a se difundir na Suíça. Nestes anos, a economia floresceu em Genebra, a cidade de Calvino.

Alternativa para joias

Até então, um dos ramos econômicos locais mais tradicionais da cidade tinha sido a ourivesaria. Sob Calvino, o reformador rigoroso que recusava toda e qualquer ostentação de riqueza, foi proibido o uso de joias. Assim, os ourives se viram obrigados a procurar outras possibilidades de uso do seu artesanato artístico – e descobriram a relojoaria. Foi desta forma que surgiram uma nova técnica e relógios que foram exportados até para o Oriente e as colônias americanas.

Difusão em toda a Suíça

Inicialmente, a produção de relógios e a inovação ficaram concentradas sobretudo em Genebra. Mas logo a relojoaria ultrapassou a cordilheira do Jura e se difundiu em outras regiões. Em Neuchâtel, famílias completas se dedicavam à relojoaria desde o século XVII. A produção de relógios de bolso e de instrumentos profissionais era significativa. A partir do século XVIII, surgiram também os relógios de pêndulo de Neuchâtel, que por décadas fizeram concorrência aos produtos de Paris. Nos meados do século XIX, a relojoaria teve importante difusão nos cantões de Soleura e de Berna. Por volta de 1890, a metade dos relógios e dos mecanismos de relógio exportados era originária de Saint-Imier, na região Jura Bernense, do distrito de Franches-Montagnes, de Ajoie e de Biel. No fim do século, Schaffhausen e a Basileia se somaram ao Arco do Jura como regiões relojoeiras.

Ascensão à posição de nação relojoeira

No século XIX, a relojoaria suíça foi se tornando cada vez mais bem-sucedida. Nos meados do século, ela tinha ultrapassado os ingleses e ascendido à posição de um dos principais produtores de relógio do mundo. Os primeiros verdadeiros concorrentes dos suíços surgiram na segunda metade do século XIX, quando os relojoeiros americanos passaram a produzir componentes de relógio em massa. Estas pequenas peças eram tão precisas que podiam ser usadas para os mais diferentes modelos. As consequências para a relojoaria suíça foram devastadoras: dentro de 10 anos, a exportação de relógios suíços para os EUA caiu em 75%. Isso foi um grande golpe para os relojoeiros suíços que reagiram à nova situação do mercado com a produção industrial de precisão dos componentes individuais.

Inovações

No início do século XX, os relojoeiros suíços equiparam seus relógios com funções adicionais, como calendário e cronômetro. Eles desejavam restabelecer a competitividade dos produtos suíços. Nos anos de 1920, a empresa Rolex construiu o primeiro relógio à prova de água, enquanto no ano de 1926 em Grenchen, no cantão de Soleura, foi produzido o primeiro relógio de pulso automático. As impressionantes inovações na área da mecânica e da fabricação permitiram que a Suíça realavancasse a produção relojoeira nacional. Foi o retorno dos relojoeiros suíços que ocuparam durante décadas o primeiro lugar no mercado de relógios.

Sinais do tempo ignorados

Mas a maior revolução do século XX na relojoaria passou pela Suíça sem deixar sinais. Apesar de o primeiro relógio de quartzo ter sido desenvolvido em 1967 no Centre Electronique Horloger (CEH – Centro de Relógios Eletrônicos) em Neuchâtel, as empresas suíças perderam a oportunidade de ganhar dinheiro com a inovação. O desenvolvimento posterior foi deixado nas mãos de outros. Principalmente os japoneses e os americanos se empenharam muito, enquanto os suíços mobilizaram suas forças no desenvolvimento e no aperfeiçoamento dos relógios mecânicos. Quando o desenvolvimento dos relógios de quartzo fez cair drasticamente a procura por relógios tradicionais, nos meados dos anos 70 parecia que tinha chegado a derradeira hora da relojoaria suíça.

Swatch e a prosperidade

Foi por um caminho inesperado que a relojoaria suíça voltou à liderança do mercado mundial: um consultor econômico reinventou o relógio – era o nascimento do relógio como acessório de moda. O Swatch, relógio de quartzo analógico, que une alta qualidade ao preço baixo, foi apresentado pela primeira vez ao público em 1983 e copiado, desde então, milhões de vezes. Sem dúvida, o Swatch salvou o mercado relojoeiro suíço e ajudou a conduzir a relojoaria suíça à nova prosperidade. 30 anos após a crise, a transformação na relojoaria nacional suíça foi bem-sucedida e a relojoaria é, de novo, um dos ramos econômicos mais prósperos do país.

Watch Valley

Há mais de um século, 90% da produção de relógios se concentram no Arco do Jura. Esta região se apresenta com uma identidade comum e uma denominação: Watch Valley – O país da precisão. A via relojoeira criada no início do século XXI é de aprox. 200 km. As 38 etapas desta via são como uma rota de peregrinação entre as mais famosas fábricas de relógio e os museus especializados, onde são revelados diversos segredos da relojoaria e é possível admirar algumas obras-primas únicas da relojoaria. Há algo para todos os gostos: relógios de pulso, relógios de pêndulo, relógios de bolso, relógios de mesa e também carrilhões. A relojoaria é o fio condutor desta viagem, mas a região rica em tradição e cultura também tem a oferecer uma linda paisagem. Paradoxalmente, as pessoas se esquecem do tempo nesta paisagem idílica. Lagos, montanhas, vinhedos e aldeias pitorescas convidam a ficar.

Máquinas industriais

Junto com a relojoaria, a indústria de máquinas também cria empregos nesta região – no passado e no presente. Alguns destes fabricantes de máquinas são líderes na confecção de especializados produtos de nicho. A pequena cidade de Vallorbe, na região de Vaud, é incomparável na produção de limas de precisão e Moutier, no cantão de Jura, é desde 1880 famosa pela produção de tornos automáticos com cabeçotes do fuso móveis – uma invenção que revolucionou a relojoaria.

Caixas de música

A história da relojoaria está intimamente ligada ao desenvolvimento dos instrumentos musicais mecânicos. O domínio da técnica de construção de mecanismos de relógio complexos foi transposto para o grande sonho da humanidade: a criação de máquinas como auxiliares automáticos. Foi assim, por exemplo, que os irmãos Jaquet-Droz e seus colaboradores iniciaram em 1770 a construção de três androides, que foram apresentados ao público em 1774. O sucesso deve ter sido inacreditável. Uma testemunha contemporânea escreveu que as pessoas faziam verdadeiras peregrinações ao local e os jardins e as praças ficavam cheias de carruagens. Durante mais de um século, os androides viajaram pela Europa e o ingresso para a sua exposição era pago. No início do ano de 1796, o relojoeiro genebrês Antoine Favre apresentou à Sociedade de Artes de Genebra a caixa de música: um novo modelo de mecanismo musical, que "toca duas melodias e imita o som do bandolim, instalado na parte inferior de uma caixa de rapé de tamanho normal". A base da invenção de Favre era um cilindro giratório com pinos que puxavam finas lamelas de aço. Com certo atraso, as manufaturas de caixas de música se desenvolveram em Genebra e no Vallée de Joux com base na relojoaria e na confecção de joias de Genebra, se transformando em um ramo autônomo. A aparência das caixas de música se tornou cada vez mais importante. As caixas ficaram mais complexas. Folheados, marchetes e entalhes lhes davam um aspecto nobre. A indústria de caixas de música de Genebra, Vallée de Joux, Sainte-Croix e de toda a região do Vaud Jura teve sua era dourada na segunda metade do século XIX. Determinados fabricantes de caixas de música obtiveram sucesso com muita rapidez e se transformaram nos mais importantes empregadores da região. As caixas de música viraram uma especialidade e um admirado produto de exportação da economia suíça na segunda metade do século XIX, marcando a imagem da Suíça moderna e inovadora do ponto de vista tecnológico.
©F. Bertin ©F. Bertin
Fonte

www.swissworld.org

Selecione uma visão diferente para os seus resultados: