Costumes e tradições

Descobrir tradições vivas.

Desde sempre, os suíços e as suíças preferem cultivar seus costumes locais próprios – e assim presenteiam o país com uma enorme riqueza de eventos culturais e tradições vivas.

«La Suisse n'existe pas» (a Suíça não existe) – com este lema, a Suíça se apresentou na exposição mundial de Sevilha em 1992. Pois não é a unidade, mas sim a diversidade no menor espaço possível que caracteriza a Suíça. Ela pode ser explicada do ponto de vista cultural e geográfico: na pequena Suíça se falam quatro idiomas nacionais, aos quais se somam numerosos dialetos. Também desde sempre, a cultura nas montanhas se diferencia da cultura no platô suíço, a vida em um vale da montanha corre de maneira diferente do que a vida na cidade grande. É por isso que às numerosas tradições regionais se opõem apenas poucos costumes nacionais. No decorrer do tempo e com o crescimento do turismo, porém, alguns costumes locais ficaram conhecidos para além dos limites regionais.

A música

Não importa se é em baile ou não – na música popular suíça se toca principalmente música para dançar.

Normalmente, se ouve o som do "Schwyzerörgeli" (acordeão suíço), de violinos, contrabaixos, clarinetes e, em determinadas regiões, de saltérios ou Trümpi (berimbau de boca). A música popular alpina se desenvolveu pela transmissão não escrita de conhecimentos e composições – por gerações, décadas e séculos. O mais antigo Kuhreihen (chamado musical para ordenha) conhecido é originário do Appenzell e foi escrito em notação musical no ano de 1545. A corneta alpina, originariamente um instrumento de música e de sinais dos pastores alpinos, e os numerosos corais alpinos que passaram a se formar desde o século XIX são tipicamente suíços. De maneira geral, a Suíça é marcada por forte propagação de música amadora e praticamente em cada aldeia há pelo menos um coral ou uma banda de música de sopro.

Corneta alpina – no rastro das notas musicais naturais.

A corneta alpina é considerada um instrumento tipicamente suíço. O som caloroso deste instrumento tradicional tem um grande alcance  – e por esta razão antigamente ele era utilizado pelos pastores para a comunicação.

leia

Canto alpino – o chamado das montanhas.

Quem sempre esquece o texto da música deve tentar cantar o canto alpino original. Este forma primordial é desempenhada completamente sem palavras. É só a partir do século XIX que são formados corais de canto alpino que cantavam cantigas com texto.

leia

Música popular na Suíça

Um dos mais famosos tipos da música popular suíça, o Ländler, é cultivado por numerosos grupos locais. A maioria dos músicos é composta de amadores, cuja fama na maior parte das vezes não ultrapassa os limites regionais.

leia
topo

No pasto alpino

A exploração do pasto alpino tem longa tradição na Suíça. Acredita-se hoje que os pastos acima do limite da floresta já eram explorados no ano de 4.000 a. C.

A confecção de queijo no verão servia para que as pessoas conservassem o leite e fizessem provisões para os longos meses de inverno. Com a exploração do pasto alpino, foram criados diferentes costumes, como por exemplo as festivas subidas e descidas do gado, o canto de oração alpino, as festas populares Älplerchilbi ou Chästteilet – tradições cultivadas com cuidado até hoje. De longe, a vida no pasto alpino parece ser idílica: o tocar dos sinos, um pedaço de capim na boca, a natureza, o pôr do sol no cume da montanha e a luz de velas na mesa de madeira. Mas esta atividade profissional é marcada pelo trabalho físico duro e pela vida simples – que vem atraindo recentemente sobretudo habitantes urbanos da Suíça e do exterior.

A vida alpina – Onde as montanhas se movem.

A partir de fim de maio, o rebanho e os pastores se mudam com grande pompa para as montanhas. Ali os pastores passam os próximos 80-120 dias ordenhando, produzindo queijo, manteiga, cercando os pastos, procurando animais perdidos e muito mais.

leia

Queijo alpino – Grande sabor dos Alpes.

Na culinária, a economia alpina produz uma diversidade dos mais finos queijos alpinos – uma raridade protegida e admirada. Hoje ela ainda é produzida manualmente com leite fresco em cabanas alpinas fumarentas.

leia

Heidi – Uma história dá a volta ao mundo.

O romance Heidi de Johanna Spyri é um dos livros mais vendidos e, consequentemente, uma das histórias infantis mais bem-sucedidas do mundo. Até hoje, o romance foi traduzido em mais de 50 idiomas.

leia
topo

Costumes e esportes

Durante muito tempo, os costumes esportivos ficaram em desvantagem contra as modalidades esportivas internacionais – mas há pouco tempo, eles retomaram a sua forma.

Enquanto sobretudo os costumes esportivos regionais ou locais caíram com frequência totalmente no esquecimento, algumas modalidades esportivas ganham novamente cada vez maior popularidade. Grandes eventos como a Festa de Luta Suíça e Jogos Alpinos ESAF atraem um público cada vez maior. No ano de 2010, esta festa estabeleceu um novo recorde com 250.000 visitantes e se tornou a maior festa de luta suíça já realizada no mundo inteiro. Vale a pena mencionar que não foi necessária a presença adicional da polícia para manter a ordem: para isso bastou a autoridade do moderador do evento. Lutadores atléticos de luta suíça, fortes lançadores de pedras e de discos mostram suas qualidades em eventos festivos de vários dias, com acompanhamento musical de corais alpinos e bandas musicais que tocam acordeão suíço.

Jogo das bandeiras – O encanto dos estandartes.

Antigamente, ele era usado para medir as forças dos moradores dos Alpes e dos camponeses nas festas alpinas – hoje ele é um esporte de competição com regras estabelecidas e campeões que são famosos em toda a Suíça.

leia

Hornussen (Golfe da fazenda) – onde o disco voa da rampa de lançamento para o campo do jogo.

Em casa principalmente nas regiões do Emmental, de Berna, de Soleura e da Argóvia, o golfe da fazenda é, juntamente com a luta suíça e o lançamento de pedra, considerado um esporte popular tipicamente suíço.

leia

Luta suíça - De esporte de pastores a esporte de competição.

Antigamente ela era usada para medir forças entre moradores e camponeses em festas alpinas – hoje ela é um esporte de competição com regras determinadas e campeões que são famosos em toda a Suíça.

leia
topo

Costumes populares ao longo do ano

Switzerland has many customs that are tied to the calendar - most are of pagan origin or have a religious connection.

The festivals celebrated in Switzerland differ considerably depending on the season and the region. Some are based on ancient traditions while others have emerged only recently. Many of them reflect the course of the agricultural year, such as the ringing in of the vineyard workers in spring, the Alpine ascent and descent during the summer months, and the wine festivals, the Chästeilet cheese sharing and the Älplerchilbi carnivals in autumn. Because there was less for farmers to do in winter than in other seasons, there were more celebrations and customs during this time. Even today, the expulsion of winter and of evil spirits and demons forms part of the tradition - a tradition that is linked to the numerous carnival and year-end ceremonies. Other celebrations recall historical events such as important victories in historical battles.

Costumes no inverno e na primavera – a época de muitas festas.

Os costumes no inverno não poderiam ser mais diferenciados: por um lado é celebrada a contemplação natalina, por outro lado demônios e o frio invernal são expulsos em desfiles entusiasmados.

leia

Costumes no verão e no outono.

Não é toda a Suíça que celebra festas em cada estação do ano – mas em cada estação do ano se celebram festas na Suíça. Quem quer vivenciar os muitos costumes do calendário, vai ficar feliz fazendo um belo Tour de Suisse.

leia
topo

Artesanato artístico e artesanato

Meio milênio marcou o bom nome da relojoaria suíça. Houve momentos difíceis – mas o tempo nunca parou.

Atualmente, 95% dos relógios suíços são destinados à exportação e a indústria relojoeira é um importante setor fundamental da economia de exportação. O artesanato têxtil também tem uma história movimentada. Enquanto poucos setores puderam se afirmar na alta costura no mundo inteiro graças à mais moderna tecnologia, o artesanato artístico têxtil, outrora tão admirado, permanece em um nicho de mercado. Muitos setores do artesanato artístico, como a escultura em madeira, a pintura de móveis ou a cerâmica camponesa, estão intimamente ligados à história do turismo suíço. Como embaixadores do país, eles marcaram a imagem da Suíça para inúmeros turistas que visitaram os Alpes no século XIX e no início do século XX.

Relojoaria – Sempre no ritmo do tempo.

Por volta do ano de 1785, aproximadamente 20.000 pessoas já trabalhavam na indústria relojoeira em Genebra e produziam cerca de 85.000 relógios por ano. Elas também fabricavam caixas de música e brinquedos automáticos altamente especializados.

leia

Artesanato têxtil

Mesmo que a Suíça, como país produtor têxtil, já tenha tido tempos melhores: ainda assim, um terço da alta costura mostrada nas passarelas do mundo é feita com tecidos suíços.

leia

Artesanato tradicional – De artistas e artesãos.

©Fabrice Wagner

Muitos ramos do artesanato popular suíço são testemunhos da tradição camponesa e, com o passar do tempo, quase caíram no esquecimento.

leia
topo

Produtos típicos da culinária e da adega

A culinária na Suíça é a união de influências de diferentes países. Ela reúne as culinárias dos países vizinhos e cria, a partir delas, uma culinária local com ingredientes regionais.

Há alguns poucos pratos e especialidades como a fondue, o Älplermagronen ou o chocolate que são típicos da Suíça. Mas quase não se pode falar de uma culinária suíça própria. Há uma culinária que inclui o Berner Platte e o Berner Rösti. Uma culinária com os salsichões dos Alpes da região de Vaud e alho-porro. Uma culinária com milho de St. Gallen e arenques do Lago de Constança. O Valais é famoso pela sua raclette, a região dos Grisões pelo seu Capuns, Zurique pelo seu picadinho de carne, Lucerna pela sua empada Chügelipastete e o Ticino pela sua mortadela e salsicha Luganighe. As salsichas estão por toda a parte: a Suíça, o País da Cocanha, tem quase 350 tipos diferentes. E esse é sem dúvida um recorde mundial, se medido pela superfície do país. Os vinhos suíços ainda não estão entre os melhores do mundo, mas estão quase chegando lá. Além dos famosos vinhos clássicos, sobretudo novas criações e a cultura de castas autóctones proporcionam experiências sensoriais únicas no país vinícola Suíça.

Produtos típicos da cozinha

Na área da culinária, a Suíça é o País de Cocanha que vale a pena ser redescoberto em cada localidade individual. Pois o cardápio tem, além de poucos pratos nacionais, principalmente especialidades regionais.

leia

Produtos típicos da adega

©Fabrice Wagner

A Suíça tem mais de 200 castas de uva. Entre elas, há nada menos do que 40 antiquíssimas raridades nativas que quase não podem ser encontradas em outros lugares do mundo. Quem quer apreciar os nobres vinhos produzidos é quase obrigado a visitar a Suíça.

leia
topo

Selecione uma visão diferente para os seus resultados: